Tudo que eu quis fazer e não fiz

agosto 06, 2017


Eu quis escrever sobre Mulher Maravilha e sobre o filme ter sido a salvação da DC no cinema atual e meu medo de Liga da Justiça acabar sendo uma bagunça, assim como foi Batman vs Superman

Eu quis escrever sobre meu bullet journal, a busca pelo caderno perfeito, minha burrice com os números que acabou me causando uma decepção quanto ao caderno perfeito e minha pesquisa por inspirações no meio das aulas mais chatas.

Eu quis escrever um livro. De novo. Escrevi um capítulo e nunca mais continuei. 

Eu quis escrever sobre meu aniversário, as pessoas incríveis que tenho na minha vida, os presentes lindos que ganhei e a crise de choro que me veio dois dias depois durante uma vivência em sala de aula. 

E eu quis postar o texto que rascunhei logo após essa mesma vivência sobre sentir o outro e não conseguir sentir porque você tá ocupado demais tentando não sentir a si mesmo. 

Eu quis começar uma newsletter, porque de repente me pareceu mais útil do que um blog que está aqui jogado às moscas porque dá trabalho demais produzir conteúdo quando você não tá produzindo sequer energia para levantar da cama de manhã. 

Eu quis fazer muita coisa e acabei não fazendo nada. Não fiz porque desaprendi a contar o tempo sem ser pela quantidade de provas e trabalhos para entregar nesse final de período atípico no mês de julho/agosto. Não fiz porque acabei apagando entre um filme e outro no cinema ou cinco minutos depois do episódio começar na netflix. Não fiz porque estive exausta demais. Ainda estou. A faculdade suga nossas energias e nossa vontade de viver e nossa inspiração para escrever e nosso prazer em compartilhar com alguém algo legal. 

Mas vai passar. Ta acabando. Só uma semana. Foi o que eu repeti pra mim hoje umas dez vezes depois que parei de chorar assim que acordei e dei de cara com o calendário de pendências colado na porta do meu guarda-roupa. 

Mas eu quis fazer algo e fiz. Eu quis tirar a poeira desse blog e me explicar - mesmo que isso tenha virado um desabafo, bem parecido com o que eu escreveria naquela newsletter que eu pensei em começar. 

Na verdade eu quis fazer isso através de uma resenha. Achei que falar sobre O Filme da Minha Vida e o quanto eu amo o Selton Mello e o quanto o cinema nacional tá produzindo preciosidades seria uma boa forma de tirar a poeira do meu cantinho. Mas as palavras me levaram em outra direção assim que comecei a digitar. Talvez eu esteja - finalmente - me permitindo sentir a mim mesma (será se agora vou conseguir sentir o outro?). Ou talvez tenha sido apenas o resultado do que essa exaustão tá fazendo comigo: me bloqueando para outras coisas e assuntos, porque eu meio que me habituei a dizer que tô exausta antes mesmo de dizer bom dia. 

Mas eu quis fazer e fiz. Meio diferente. Meio nada a ver com o plano original. E talvez eu volte logo para falar sobre esse filme que tá lindo. Enquanto isso vocês correm no cinema pra conferir. Mas, por hoje, isso é tudo, pessoal. 

You Might Also Like

2 comentários

  1. TEMOS AQUI O MELHOR POST DE TODA A BLOGSFERA! <3

    Ceci, hoje eu escrevi uma carta pra alguém que não escrevia há mais de seis meses. Me deu uma baita vontade de voltar a escrever e lembrar como era a minha letra bonita quando eu tô inspirada pra escrever à mão. Esse fim de semana foi bom, foi bem melhor dos que vinha tendo. Eu li, meditei, caminhei, fiz mínimas coisas obrigatórias que me dão sentido. Mas eu sei que a minha felicidade e tranquilidade é sempre passageira, porque eu tô acostumada com a tristeza. Eu não quero levantar da cama, mas levanto, porque minha primeira responsabilidade é com o estágio. Infelizmente, não serei efetivada e, apesar de estar reagindo bem até agora, sei que quando a minha rotina acabar vai vir uma crise de ansiedade horrível. Eu odeio a minha faculdade. Engraçado que precisei de muito tempo para perceber que não era eu que não me encaixava no curso, mas a faculdade que não encaixava em mim - acho a abordagem e a grade curricular extremamente tradicionais, o que mina completamente a minha criatividade, ânimo e felicidade. A sorte é que isso tá acabando, só mais esse semestre. Eu sei o que é acordar chorando, porque tá ruim demais. Eu detesto a minha vida. Sabe quando você acha que decidiu tudo errado, apesar de ter uns lampejos de felicidade? Tudo o que amo não é o enfoque do meu curso, o que me faz sentir muito fracassada o tempo inteiro. É horrível quando um sentimento pode reduzir a gente a nada, a alguém que a gente nem se reconhece.

    Eu sinto muito por tudo estar pesado pra você. Sinto muito por você querer fazer as coisas que ama e não conseguir. Eu sei como é se sentir culpada por não conseguir cumprir as metas mais simplórias. Eu sei como é não ter coragem de desistir quando se quer muito desistir. Mas eu desejo a você coragem pra continuar. É aquele quote da Jude, sabe? "Um coração partido é um coração aberto" (vou levar essa frase pra vida, tô até a fim de tatuar seriamente ela!). A vida vai acabar com a gente muitas vezes, mas isso significa que vamos sempre encontrar um caminho pra manter nossas convicções de pé. Mesmo que tudo esteja ruim agora, nosso coração continua aberto pra outros caminhos. Nunca é o final de algo. Mesmo quando parece.

    Vou aqui escrever o que tenho repetido pra todo mundo que amo: Você é importante. E você não está sozinha. Precisando conversar, tô por aqui (mais no twitter e no whats). Cê é linda e extremamente incrível. Eu sempre acreditarei em você <3

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, linda!
      é ótimo quando a gente consegue ter dias bons assim, né? A gente se acostuma tanto com os dias ruins que fica até com medo dos dias bons. E a faculdade assume uma parcela de culpa enorme nos nossos dias ruins, porque ela parece que tem o poder de sugar nossa vida por completo, dentro e fora do ambiente acadêmico, e isso é horrível. Mas vai passar. Eu gosto de pensar que é só uma fase. E já já a gente ta formada tendo que encarar outros dias bons e ruins. É a vida.

      Muito, muito obrigada mesmo, por essas palavras. Alegrou muito o meu dia. Foi importante. Me fez sentir importante. Você é linda! Fico feliz que tenhamos uma a outra <3

      Excluir